DNA: Rihanna, Katy, Ke$ha e Miley ou simplesmente “Wanessa”

Com a visível melhora no idioma inglês – que até pouco tempo era amador e pouco treinado – e com um melhor aproveitamento da sonoridade atual, Wanessa tem muita história para contar em “DNA”, que mesmo por ser o primeiro álbum totalmente em inglês, será um grande sucesso no Brasil e no exterior.

DNA

Wanessa não inventou fazer música eletrônica em inglês agora: as versões inglês existem desde 2003 nos vocais da morena, e o eletrônico, bem, esse é novato na carreira. Com o sucesso absoluto de “Fly” e “Falling For U”, Wanessa viu o caminho de terra livre e resolveu calçar se com sapatos de diamantes para pisar em terras tão perigosas.

A metáfora está bem explicada: o mercado da música POP é amplo, porém, maldoso. Wanessa então produziu, de imediato, um álbum poderoso á nível internacional, para mostrar o quão versátil, talentosa, amadurecida, esperta e corajosa ela está. “DNA” tem 15 músicas explosivas que podem até lembrar hits de cantoras pops internacionais como Ke$ha, Lady GaGa e Britney Spears. E de fato, o disco tem samples dos singles “Born This Way”, “Eenie Meenie”, “Drop Dead (Beautiful)” e ”We R Who We R”, significando a clara inspiração dos ídolos na produção.

Muito embora haja pouca coisa realmente original, o álbum está recheado de hits que superam todas e quaisquer chances de uma artista brasileira produzir algo sequer parecido. “DNA” é a primeira faixa e possui o nome do álbum, que obviamente fala sobre a temática do álbum, conflitos de identidade que as pessoas passam até se auto encontrar, logo, fazendo ponte com o fato de Wanessa ter se ‘achado’ na música pop. A canção ainda é poderosa e poderia muito bem liderar charts da Billboard, caso fosse possível. O instrumental é melodramático, e embora se trate de um hit dançante, a letra sugere uma balada up-tempo bem parecida com “Firework”.

“Stuck On Repeat”, repeteco do disco anterior, é uma faixa cheia de atitude que conta com samples de “Bad Romance”, lembrando muito faixas europeias, sucesso em pistas de dança. “Murder” é surpreendente! A preferida de muitos fãs lembra “Born This Way” de Lady GaGa, mas não possui samples do single. A semelhança é instantânea e mais uma vez nos esquecemos que estávamos falando de Wanessa. O nível é altíssimo!

Logo após a overdose de Lady GaGa, “Sticky Dough” chega e nos dá o verdadeiro som do Brasil. O atual single da cantora é uma mixagem venenosa entre o funk carioca e a house music. Uma mistura divertida e sexy que já é sucesso no mundo inteiro, mas se tratando da estrutura da música, notamos diversas falhas, entre elas a letra fraca, desnecessária e pouco relevante que foi colocada no instrumental.

Outro hit em potencial, é “Get Loud!”. Facilmente pegajosa – pelos versos repetitivos e arranjos já conhecidos pelo público – a faixa também é uma preferida, mas não a melhor. Poderia ser mais original, mas não: “We R Who We R” está presente. “Blow Me Away” é a novidade. O som latino foi uma idéia fantástica, fazendo com que o disco se tornasse diversificado, sensual e sério. Mal podermos crer que tantas músicas boas fazem parte do leque de opções de Wanessa.

As faixas 9, 10 e 11 são, seguidas, a melhor parte do cd. São elas “Rescue Mission”, “Tonight Forevor” e “High”. É uma melhor que a outra, e o POP genérico esteve fortemente presente, tendo cada arranjo vocal super bem aproveitado por Wanessa. As notas nas canções foram incrivelmente acertadas e não há erros na produção das músicas. Não tem como escolher uma: as melhores faixas do disco são “Rescue Mission” e “High”. Talento e profissionalismo define “DNA”, que atendeu á todas as expectativas e surpreendeu quem não imaginava que o teríamos Lady GaGa, Britney Spears e Miley Cyrus em uma, Wanessa!

Mas ainda não acabou. “It’s Over” marca presença como a única balada clássica do álbum, o que realmente não poderia faltar. Os vocais de Wanessa estão suaves, agradáveis e emocionantes. Depois de escutar o disco inteiro, ainda tivemos 03:33 para nos surpreender. “Its Over” poderia ser hit na voz de Selena Gomez, mas não, será na voz de Wanessa.

As faixas bônus preenchem o álbum finalizando com chave de ouro. Não era necessário. Mas elas existem, e são ótimas para pistas de danças. Com o remix de “Stuck On Repeat” – produzido pelo DJ Dave Audé -, atraiu os olhos da mídia no ínicio do ano por ser justamente a faixa pop mais explosiva dos charts mundiais. Com tudo, o álbum merece nota máxima pela competência e ousadia de Wanessa ao criar um verdadeiro álbum eletro pop á nível internacional e rebatendo todas as críticas negativas.

TRACKLIST

01. DNA
02. Stuck On Repeat
03. Murder
04. Worth It
05. Sticky Dough
06. Get Loud!
07. Falling For U
08. Blow Me Away
09. Rescue Mission
10. Tonight Forever
11. High
12. It’s Over
13. Stuck On Repeat (Dave Aude Club Remix)
14. Worth It (Mister Jam Boomboxx Club Mix)
15. Blind Faiths

  1. Camila Herbert

    Minha diva! Amei *————–* Blow Me Away é uma das melhores msm

  2. @WilliamJohnnes

    Eu ouvi as faixas no You Tube e gostei muito deste novo trabalho da Wanessa. Tem um som bem maduro, bem dançante e pop. Tem uma qualidade de nível internacional. Torço muito pela explosão dela no mundo. Wanessa, a sua hora de explodir chegou!

  3. ótima crítica, Wanessa surpreendeu mesmo

    • otimo,o som,tava faltando isso no brasil,ja estamos saturados de musiquinha chatas,que pra escutar dance tem que ser importado,tomare que surja mais cantores assim modernos,chega de luiza possi,restart,fiuk,

  1. Pingback: ÁLBUM: “DNA” e Wanessa mais dançantes que Ke$ha e Rihanna juntas! « Fewoffs NOW 2

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: